48 seleções

Liga espanhola pensa em contestar mudança da Copa do Mundo

Publicado em 10/01/2017 , às 18 h36

AFP

O dirigente da Liga Espanhola reclamou porque os grandes clubes não foram consultados. / Foto: Divulgação.

O dirigente da Liga Espanhola reclamou porque os grandes clubes não foram consultados. Foto: Divulgação.

O presidente da Liga Nacional de Futebol Profissional (LNFP), Javier Tebas, garantiu, nesta terça-feira, que a organizadora do Campeonato Espanhol estuda impugnar a decisão da Fifa de ampliar para 48 o número de seleções participantes da Copa do Mundo.

Tebas criticou a Fifa por não consultar os grandes clubes e as principais ligas europeias antes de aprovar a ideia.

"Uma instituição que maneja a política esportiva está tomando decisões que afetam a política e a economia das grandes ligas da Europa. Não é possível tomar esse tipo de decisão sem consenso", criticou Tebas poucas horas depois da decisão do conselho da Fifa.

"Vamos ver se denunciaremos para a direção geral responsável na União Europeia ou também para as instituições competentes da Suíça", precisou.

A proposta elaborada pelo presidente da Fifa, o ítalo-suíço Gianni Infantino, renderia 640 milhões de dólares adicionais, segundo informe confidencial ao qual a AFP teve acesso.

"Acredito que as ligas tem que ter uma opinião, porque 75% dos jogadores da Copa jogam nos grandes campeonatos europeus", insistiu Tebas.

"Depois, a Fifa não deixa de ser uma instituição que toma decisões no âmbito político-esportivo, mas também no âmbito empresarial e de direitos audiovisuais que podem nos afetar. Por isso não estou de acordo com a ampliação do Mundial".

A poderosa Associação Europeia de Clubes (ECA) também foi contra a decisão da Fifa, por acreditar que a mudança foi motivada "mais por razões políticas do que esportivas".

PALAVRAS-CHAVE: futebol esportes

Continue Lendo

COMENTE ESTA MATÉRIA

Nome:
E-mail
Mensagem

O comentário é de total responsabilidade do internauta que o inseriu. O NE10 reserva-se o direito de não publicar mensagens com palavras de baixo calão, publicidade, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conduta que possa ser considerada criminosa.

SERVIÇOSNE10


Vitrine NE10
Vitrine NE10
Fechar vídeo